É optimista o PE? É, como habitualmente, mas caberá ao governo a tarefa de tentar executá-lo desde já. Uma coisa é certa, está alinhado com um detalhado Plano Nacional de Reformas.

No documento de estratégia orçamental 2012-16 apresentado pelo governo PSD-CDS em Bruxelas previa-se um défice orçamental para 2015 de 1% do PIB e um rácio da dívida no PIB de 109,5%. Ficámos a saber agora pelo Eurostat que aqueles valores serão respetivamente de 4,4% (incluindo efeito Banif) e de 129%. Este otimismo das projeções orçamentais de médio prazo em relação à realidade tem sido uma constante com governos de várias orientações políticas (como documentado pelo Conselho das Finanças Públicas) e em vários países. Valerá mesmo a pena apresentar e analisar documentos desta natureza? Acho que sim.

Mesmo que o Programa de Estabilidade (PE), agora apresentado não seja cumprido no seu detalhe, ele fornece uma orientação clara. É aliás sabendo isso que anualmente se atualiza o PE.

E qual é essa orientação? Do lado da receita, não estão previstas nenhumas subidas de taxas dos principais impostos (IVA, IRS e IRC), nem descidas, excetuando-se a descida do IVA da restauração e a reposição da sobretaxa no IRS. Assim, a receita fiscal crescerá, mas menos que o PIB nominal, de modo que o seu peso global diminuirá. O governo não tenciona mexer na tributação direta sobre os rendimentos do trabalho, nem das empresas.

Do lado da despesa, em 2016 e 2017 haverá a reposição dos salários da função pública e em 2018 e anos seguintes a abertura progressiva das carreiras. Ao nível do consumo intermédio haverá redução de encargos líquidos com as parcerias público-privadas, e um aumento da despesa das pensões de acordo com a lei. Ainda assim o peso do Estado diminuiria de 48,3% do PIB para 42,5%.

Há riscos no cenário apresentado? Certamente que sim. O grupo de análise económica do ISEG prevê um crescimento trimestral do PIB no primeiro trimestre de 2016 de 1,1%, o que faz com que seja algo difícil que se obtenha um crescimento real do PIB de 1,8% neste ano. Ainda em 2016 haverá pressões nas despesas em saúde e no restante setor empresarial do Estado que dificultarão a adequada execução orçamental neste setor.

De 2017 a 2020 terá que haver contenção salarial na administração pública para cumprir com o cenário apresentado. É optimista o PE? É, como habitualmente, mas caberá ao governo a tarefa de tentar executá-lo desde já.

Uma coisa é certa, está alinhado com um detalhado Plano Nacional de Reformas que concretiza as promessas eleitorais do governo, algo a que já não estávamos habituados.

 

Publicado originalmente no Observador a 21.04.2016

Artigos relacionados

Artigos de Opinião

Salvem o jardim e parque infantil do Junqueiro!

Haja vontade política e bom senso para conciliar os valores ambientais e as necessidades de estacionamento e a solução encontrar-se-á mantendo o direito dos munícipes a usufruírem deste parque. Se cada um de nós cuidar Ler mais…

Artigos de Opinião

Ministério Público: necessitamos mais prestação de contas

No Ministério Público, precisamos de mais segredo de justiça, para evitar uma mediatização algo obscena e contraproducente à investigação, mas também de mais prestação de contas à sociedade. Os acontecimentos mediáticos da última semana no Ler mais…

Artigos de Opinião

Carta Aberta a Rui Rio

Na próxima legislatura, que será ainda muito exigente em termos financeiros (em particular em 2021) há acordos estruturais que terão forçosamente de incluir os dois grandes partidos nacionais. Caro Dr. Rui Rio, Antes do mais Ler mais…