Quais os cenários possíveis entre diminuição de receita e aumento de despesa em 2018? É melhor reduzir o défice mais rapidamente ou mais lentamente até 2021? Que impõe o quadro institucional europeu?

 

1. A subida de notação da dívida pública portuguesa foi um êxito notável e mostra que existe, neste momento, confiança crescente dos mercados em relação à evolução económica, orçamental e da dívida pública portuguesa.

Alguns diabolizam as agências de rating pelos fracassos que demonstraram no passado e a sua incapacidade em prever a crise.

É irrelevante e desnecessário ter sentimentos em relação a estas agências. O que interessa perceber é porque é que existem e que consequências têm as suas avaliações.

As agências existem porque existe uma falha de mercado. Os mercados não produzem informação suficientemente clara sobre as características de um agente (neste caso o Estado) para saber se os títulos que emite têm um risco associado muito elevado.

As agências existem para colmatar esse fracasso. Os investidores preferem ter essa informação, mesmo que imperfeita, a não ter nenhuma informação.

As consequências são conhecidas: há instituições que têm regras para adquirir esses ativos e tê-los no seu balanço.

Se um país soberano está classificado como “lixo” a procura por títulos da divida será menor e os juros pagos maior.

A consolidação orçamental em Portugal ajuda assim diretamente (pela redução das necessidades de financiamento) e indiretamente, pela melhoria do rating, a que uma parcela menor dos impostos dos portugueses saia do país sob a forma de pagamento de juros ao exterior. A saída do “lixo” por mais uma agência, não devendo levar a qualquer euforia, é claro motivo de satisfação.

2. Vários comentadores têm defendido que como o governo está a melhorar o saldo orçamental a austeridade continua.

Que chegámos ao fim da ideologia, ou ao fim da história como diria Fukuyama. Para eles, o que o actual governo está a fazer é o que PSD/CDS fariam, se estivessem no poder, com a diferença que PCP e Bloco deixaram de ser partidos de protesto.

Quem não consegue perceber a diferença é porque não quer ver a realidade. PSD/CDS acharam que conseguiriam resolver o problema da dívida com privatizações indo ao ponto de, com esse objetivo, privatizar alguns “fillet mignon” de empresas públicas (como os CTT) que são públicas até nos EUA.

O actual governo parou as privatizações. PSD/CDS queriam uma política orçamental restritiva muito rápida, com a devolução lenta da sobretaxa no IRS e da reposição muito gradual dos cortes salariais. O governo PS recusou a manutenção de uma política recessiva e moderou a redução do défice.

PSD/CDS cortaram (ultrapassando o limite da constitucionalidade) prestações sociais, salários e pensões e o actual governo repôs ambos. Sobre a austeridade do actual governo até (o insuspeito de simpatia pela “geringonça”) Subir Lall do FMI, olhando para o indicador do saldo estrutural primário (saldo expurgado de juros e do efeito do ciclo económico) considera, em entrevista ao Expresso, que esta não existiu em 2016 e 2017.

Em bom rigor já nem existiu em 2015, ano eleitoral, em que PSD/CDS abriram um pouco os cordões à bolsa (a frase é nossa). Esses comentadores não têm razão

3. As notícias dos últimos dias mostram que não existe nenhuma passividade nem das forças políticas (em particular BE e PCP), nem de inúmeros sindicatos, movimentos associativos em relação ao governo, mas antes pressões.

Vêm aliás de vários lados e com uma diversidade de objetivos, por parte de juízes, enfermeiros, reitores, empresários, etc. Nuns casos as reivindicações traduzem-se em aumentos de despesa, noutros em diminuição de receita (e.g. baixa de IRC), todas portanto agravando o défice orçamental.

É compreensível a insatisfação dos trabalhadores do sector público em relação à situação vivida de 2010 a 2015. Houve cortes salariais (só agora repostos sem atualização da inflação), diminuição de efetivos, congelamento de promoções e progressões na carreira.

Há dívidas crescentes no sector da saúde. Porém, pensar que é possível de uma vez descongelar as carreiras, fazer atualizações salariais e aumentar o emprego público, diminuir impostos, regularizar dívidas na saúde e reduzir o défice, é do domínio da alquimia que ainda não sabemos fazer. Há opções políticas a fazer.

4. Há duas coisas que o primeiro-ministro tem dito e que devem ser relembradas. Grande parte do sucesso da “geringonça” tem sido o facto de ter devolvido rendimentos com contas públicas em ordem.

É necessário continuar a consolidação das contas públicas (leia-se alcançar, mas não superar, os objetivos para o défice de 2917 e 2018).

A outra ideia essencial é que qualquer negociação não pode ser fechada sobre medidas isoladas, mas sobre o pacote global das medidas.

A responsabilidade do governo (PS) é maior, é dele a iniciativa do OE2018, mas a dos partidos que apoiam o governo (PCP, BE e Verdes), antes e depois da apresentação do OE, também é relevante. Alterações sugeridas devem ser neutras do ponto do objetivo para o défice.

Aos partidos de oposição (CDS e PSD) não se espera que apenas façam propostas de agravamento do défice pois isso significaria que não valorizam a consolidação orçamental.

5. Para não se cair num debate casuístico de medidas orçamentais que agravem o défice, a questão é saber o que é possível fazer com cenários alternativos de políticas, mas para isso são necessários estudos, e quantos mais melhor.

O FMI acaba de publicar um relatório, mas não responde diretamente à questão. O Conselho de Finanças Públicas fará em breve uma atualização das previsões macroeconómicas e orçamentais, mas assumindo políticas invariantes ou seja sem novas medidas discricionárias de política (ver aqui o de 2016).

Um estudo do Instituto de Políticas Públicas (*), pretende responder precisamente a algumas destas questões. Quais os cenários possíveis entre diminuição de receita e aumento de despesa em 2018?

É melhor reduzir o défice mais rapidamente ou mais lentamente até 2021? O quadro institucional europeu é adequado para uma estratégia orçamental bem sucedida?

É preciso manter o rumo da consolidação orçamental, mas há difíceis opções de política que importa discutir.

 

*O estudo “Estratégias orçamentais 2017-21: que opções de política?” (Policy Paper 10 IPP) de Ricardo Cabral, Paulo Trigo Pereira, Luis Teles Morais e Joana Vicente será apresentado e discutido no ISEG no dia 21, quinta-feira pelas 17horas (ver aqui).

 

Artigo originalmente publicado no Observador a 19.09.2017

Artigos relacionados

Artigos de Opinião

Salvem o jardim e parque infantil do Junqueiro!

Haja vontade política e bom senso para conciliar os valores ambientais e as necessidades de estacionamento e a solução encontrar-se-á mantendo o direito dos munícipes a usufruírem deste parque. Se cada um de nós cuidar Ler mais…

Artigos de Opinião

Ministério Público: necessitamos mais prestação de contas

No Ministério Público, precisamos de mais segredo de justiça, para evitar uma mediatização algo obscena e contraproducente à investigação, mas também de mais prestação de contas à sociedade. Os acontecimentos mediáticos da última semana no Ler mais…

Artigos de Opinião

Carta Aberta a Rui Rio

Na próxima legislatura, que será ainda muito exigente em termos financeiros (em particular em 2021) há acordos estruturais que terão forçosamente de incluir os dois grandes partidos nacionais. Caro Dr. Rui Rio, Antes do mais Ler mais…