Chegámos onde chegámos, pois os partidos políticos e o Governo não parecem querer conhecer a realidade do país

O principal mérito do PEC III é tornar claro a seriedade do problema orçamental do país. O triste fado em que vivemos é que o Governo, em vez de ser pró-activo, só toma as medidas muito tarde e quando pressionado pelos mercados.

Por seu turno, a oposição, no essencial, só apoia medidas que fazem aumentar a despesa, e, ou ignora o problema orçamental (esquerda), ou diz que é preciso cortar a despesa, reduzir o Estado, mas não tem pensamento sobre o como e o onde (direita). Governo e oposições são responsáveis pelo estado da nação.

Comecemos pelo Governo. Em 2006, na reforma do Estado (PRACE) o Governo não quis, e podia tê-lo feito, reduzir a despesa pública.

Fez consolidação sobretudo pelo lado da receita. Em 2009, o Governo geriu o ciclo político, aumentando os salários dos funcionários públicos em 2,9% e subestimando o défice orçamental, que, com os dados disponíveis em Agosto, já se sabia que apontaria para cima dos 8% e não os 5,3% então anunciados.

Ainda antes das eleições, com os vários manifestos dos economistas e de outras opiniões, apreensivos com a qualidade do investimento público e as parcerias público-privadas, o Governo aposta no cavalo errado: manter o plano rodoviário nacional, manter todas as linhas de TGV, quando era já manifesta a sobrecapacidade rodoviária do país.

Por fim elabora PEC I e PEC II, com discussão política, mas não alargada publicamente, medidas que tiveram e têm sobretudo reflexos na receita e muito pouco na despesa, de modo que o défice orçamental no final do ano 2010, sem medidas extraordinárias, se situaria nos 8,9% do PIB, muito acima do que o Governo se comprometeu (7,3%) a apresentar.

Claro que o Governo teve azar com a crise internacional, mas tudo o que está referido acima poderia ter sido feito de outro modo, com a informação existente na altura e ouvindo as opiniões de vários economistas atempadamente veiculadas.

A oposição é tão parte do problema como o Governo e, infelizmente, para a vida democrática, tem sido um quase deserto de ideias.

Em primeiro lugar há a esquerda tradicional que não percebe a aritmética fundamental da dinâmica défice-dívida-privatizações que, paradoxalmente, dará cabo do Estado que diz defender.

Simplificando, um défice de 10% do PIB, quando este não cresce, significa uma subida de 10 pontos no rácio dívida-produto, subida de juros, logo do défice. A subida da dívida, para além de agravar as nossas condições de financiamento, chegará sempre ao ponto em que privatizações são necessárias para reduzir o stock da dívida.

Em segundo lugar, tipicamente apoia as medidas que fazem crescer a despesa e opõe-se às que, sendo justas, a fariam diminuir. Veja-se o caso das duas categorias nos professores do básico e secundário (medida justa agora revogada) ou do financiamento das regiões autónomas.

O problema da direita tem sido outro. Tem uma ideologia e convicções – reduzir o peso do Estado e o nível de fiscalidade -, mas não faz o trabalho de casa explicando o como e o onde.

Primeiro, tem sido entusiasta das externalizações, empresarialização e parcerias público-privadas (que agora critica), sem perceber que em certas situações isso pode ser benéfico e diminuir o peso do Estado, mas noutras pode aumentar a despesa!

Dar a privados sectores de monopólio natural local, sem verdadeira competição para as concessões e com forte informação assimétrica entre financiador (Estado) e prestador (privado) fará inevitavelmente aumentar a despesa ou reduzir a qualidade do serviço prestado.

Segundo, avança com ideias vagas sobre a reforma de institutos públicos, mas sem propostas concretas, com o estafado argumento que cabe apenas ao Governo fazer essas propostas.

Terceiro, alinhou com a esquerda radical nas medidas de aumento da despesa.

Chegámos onde chegámos, pois os partidos políticos e o Governo, nem directamente nem por interpostas entidades (fundações, centros de investigação) parecem querer conhecer a realidade do país em que vivemos.

 

Publicado originalmente no Público em 02.10.2010

Artigos relacionados

Artigos de Opinião

Salvem o jardim e parque infantil do Junqueiro!

Haja vontade política e bom senso para conciliar os valores ambientais e as necessidades de estacionamento e a solução encontrar-se-á mantendo o direito dos munícipes a usufruírem deste parque. Se cada um de nós cuidar Ler mais…

Artigos de Opinião

Ministério Público: necessitamos mais prestação de contas

No Ministério Público, precisamos de mais segredo de justiça, para evitar uma mediatização algo obscena e contraproducente à investigação, mas também de mais prestação de contas à sociedade. Os acontecimentos mediáticos da última semana no Ler mais…

Artigos de Opinião

Carta Aberta a Rui Rio

Na próxima legislatura, que será ainda muito exigente em termos financeiros (em particular em 2021) há acordos estruturais que terão forçosamente de incluir os dois grandes partidos nacionais. Caro Dr. Rui Rio, Antes do mais Ler mais…